quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Rodovia dos Romeiros com novos equipamentos de vigilância eletrônica

Maquininhas de fotografar e multar motoristas apressados e desatentos estão sendo instaladas novamente na Rodovia dos Romeiros



Imagino que a Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (AGETOP) esteja mesmo assoberbada de serviço com tanta buraqueira nas pistas das rodovias que cortam esse Goiás de meu Deus, sobretudo nestes dias de chuva. Deve ser por isso que os caras de lá, até o momento em que escrevo, não responderam ao e-mail enviado por este blogueiro na terça-feira (17), às 16:24h, perguntando sobre o motivo da retirada daqueles equipamentos da Rodovia dos Romeiros (GO-060), que a gente de modo informal costuma chamar de "redutores de velocidade", "radares fixos", "lombadas eletrônicas", ou seja, engenhocas criadas para multar os motoristas desatentos e apressadinhos além do limite de velocidade permitido em determinado trecho de uma rodovia qualquer. Ou será que isso aí é um daqueles segredos de Estado? Acho que não. Deve ser algo do tipo vencimento de contrato com a empresa "X" que retira tudo que lhe pertence para que uma nova firma "Y" instale sua parafernália, a fim de gerar "dindin" na forma de recebimento de multas cujo destino são os cofres estaduais e uma parte para o caixa da empresa, evidentemente, pois até relógio deixou de trabalhar de graça e faz tempo. Ou não, vai saber. Mas nesta quarta-feira (18), por volta das 16:35h vi um pessoal instalando novos equipamentos nos mesmos lugares de onde ontem foram retiradas as maquininhas. E estava caindo um toró daqueles, convém dizer. Então, é isso aí. Dentro em breve a Rodovia dos Romeiros estará novamente sob a vigilância atenta de robozinhos que fotografam os veículos que transitam por aqui em alta velocidade. Bora lá dirigir com cuidado e atenção. Afinal de contas, faz bem para a segurança de todos no trânsito e o cabra evita qualquer sangria no próprio bolso.


terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Rodovia dos Romeiros está sem redutores de velocidade

Uma das vias mais movimentadas de Goiás amanheceu sem redutores de velocidade


Rodovia dos Romeiros sem redutores de velocidade.



Cadê os redutores de velocidade que estavam aqui na Rodovia dos Romeiros (GO-060) até ontem? O gato comeu. Claro que não é nada disso, minha gente. Até porque, bichano algum tem dentes para comer um troço esquisito feito de metais, vidros e plásticos, ora pois. Deixemos de enrolação e vamos diretamente ao ponto que interessa.

Na verdade, transitando por essa importante via goiana, talvez a mais movimentada da malha estadual, na manhã desta terça-feira (17), percebi que não havia mais nenhuma engenhoca dessas que flagram os motoristas incautos viajando acima da velocidade permitida no trecho, fotografa-lhes o possante em pleno cometimento da infração que logo em seguida é impressa e remetida ao sujeito, via Correios, utilizando o endereço constante do cadastro do Detran e congêneres.

Retornando no final da tarde para a “Capital da Fé” hoje ainda, dei de cara com trabalhadores fazendo a retirada de partes dos equipamentos que restavam na via em questão, no perímetro urbano de Goiânia. Um tantinho mais à frente, fui constatando que realmente todos os redutores não estavam mais nos pontos de costume, onde fazia tempo foram instalados.

No Posto Policial do Batalhão da Polícia Militar de Goiás, na Rodovia dos Romeiros, no setor Vera Cruz, não foi possível obter nenhuma informação a respeito da retirada dos equipamentos, mas fui orientado a fazer os questionamentos pertinentes aos técnicos da Agência Goiana de Transportes e Obras Públicas (AGETOP).

Dito e feito. Por telefone falei brevemente com alguém da Assessoria de Imprensa da estatal responsável pelas rodovias goianas, mas quem me atendeu, embora gentil, não quis passar qualquer informação no momento, solicitando que enviasse quaisquer perguntas por e-mail. Claro que sem mais delongas enviamos nossa mensagem eletrônica. Vamos aguardar a manifestação da AGETOP e então daremos os detalhes para quem, feito você internauta amigo, vez por outra acessa este blog. Até breve!


Operação Pente-fino do INSS

80% das perícias realizadas cancelaram benefícios provocando economia de R$ 220 milhões



Agência da Previdência: Revisando benefícios por incapacidade.


O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) retomou nesta segunda-feira (16) a realização de perícias médicas naqueles segurados que estão recebendo auxílio-doença ou encontram-se aposentados por invalidez há mais de dois anos e que tenham menos de 60 anos de idade. É o que estão chamando por aí de Operação Pente-fino, cujo objetivo da Autarquia previdenciária “é melhorar a governança e a gestão dos recursos da Previdência, direcionando o benefício para quem realmente precisa”.

A coisa toda está sistematizada assim da seguinte maneira:
Os segurados que estão recebendo auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez há mais de 2 anos sem serem submetidos a perícia médica serão convocados por meio de carta com Aviso de Recebimento (AR).

Logo que receber a convocação por carta com AR, o segurado terá até 5 dias para agendar a perícia médica podendo-se utilizar o telefone 135, cuja ligação é gratuita se feita de aparelho fixo, lembrando que a chamada via celular tem o custo igual ao de uma ligação local.

O segurado então deverá comparecer à Agência da Previdência na data e horário agendados portando documentos pessoais, como Carteira de Identidade (RG) e CPF, atentando-se para estar com documentação médica em mãos, atestados, laudos, receitas e exames.

Caso o segurado não atenda à convocação ou agende o exame e não compareça no local, data e horário marcados terá o benefício suspenso. Então, é importante ficar atento a isso aí, pessoal.

Segundo dados do último balanço feito pelo INSS, a Operação Pente-Fino alcançou o sucesso. Afinal de contas, das 21 mil perícias realizadas, 80% concluíram pelo cancelamento dos benefícios, o que resultou numa economia de R$ 220 milhões. A expectativa do governo federal é a de que sejam poupados cerca de R$ 6 bilhões frutos da reavaliação de um contingente que deve chegar a 1,7 milhão de benefícios.


Di Menor é morto em troca de tiros com policiais

Lendo a última página (BÚSSULA) da edição desta terça-feira (17) do jornal O Popular, me deparo com a seguinte notinha, em azul:

RUBIATABA



Entre maiores assassinos de GO, Di Menor é mortoImagem: Reprodução/TV Anhanguera

João Marcos Caetano de Oliveira (foto), 18, conhecido como “Di Menor” e apontado como um dos maiores assassinos de Goiás foi morto na noite de ontem, após confronto com a PM, conforme informou a corporação. O fato ocorreu em Rubiataba, a 220 Km de Goiânia. Segundo a polícia, ele resistiu à abordagem, atirou e os policiais revidaram. Ele chegou a ser levado a um hospital, mas não resistiu e morreu.

Comentário
Trocar tiros com policiais não é, digamos, uma boa estratégia de fuga e vida para seu ninguém. A notícia acima me fez recordar da frase do tenente-coronel Ricardo Mendes: “Não somos letais não ação, nós somos letais na reação”. Acho que é bem por aí mesmo. Agora, o triste de verdade é saber que a bandidagem continua atraindo para suas fileiras gente cada vez mais nova. Lamentável.


domingo, 15 de janeiro de 2017

Sobre uma notinha do Elio Gaspari a respeito do Lula


Lula (PT) candidato (Imagem: Alan Marques Folhapress)



Lula candidato
Estava escrito nos astros: Lula é candidato a presidência e se ficar inelegível jogará seu cacife na apresentação de um poste.
Milhões de pessoas detestam o “sapo barbudo” de Leonel Brizola e a “metamorfose ambulante”, segundo sua própria definição. Mesmo assim, convém que, detestando-o, ouçam o que ele diz em seus comícios.
Lula não será candidato cavalgando suas virtudes, mas montado nos defeitos de seus adversários.

Elio Gaspari, jornalista e escritor ítalo-brasileiro,
em sua coluna deste domingo (15), na Folha de S. Paulo.



Comentariozinho
Por nada não, pessoal, mas gostei demais da conta dessa notinha aí acima, do Elio Gaspari. Penso que interessa a muita gente, não apenas aos políticos, que se interrompa o xingatório no Brasil, principalmente nas redes sociais, e tenha início uma conversa mais séria a respeito de política, sobretudo a política nacional.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Abalado por uma ligação telefônica

Ouvindo a voz de um cantor famoso e agora na dúvida sobre a possível perda de oportunidade na vida




Moacyr Franco (Imagem: natelinha.uol.com.br)
De repente o telefone fixo toca, coisa rara de acontecer hoje em dia na minha e na casa de muitas pessoas por aí. Afinal, todo mundo está se falando mais frequentemente é por meio das tais redes sociais, com destaque para o Whats App, Twitter, Facebook e cada vez menos utilizando a ligação telefônica velha de guerra. Até porque, as tarifas das operadoras de telefonia neste Brasil de meu Deus custam caro demais da conta, enquanto a qualidade do serviço nunca foi uma "Brastemp". Opa, opa, opa! Melhor ir retomando logo o fio da meada, pois se eu não me vigiar muito bem, acabo tergiversando além do suportável para o leitor.

Onde eu estava mesmo? Ah, tá! Aqui. O cabra ouve o sonzinho do telefone quase em desuso, mas gerando gastos para a família, uma prova de irracionalidade econômica, vale dizer. Eita que é preciso ver isso urgentemente, pois o meu orçamento pessoal tem sido tão respeitado como os orçamentos dos governos brasileiros. Deus do céu, eis-me aqui novamente perdendo o foco. Misericórdia! Agora vai, agora a coisa há de andar no rumo certo.

Ato contínuo o sujeito se levanta e sai quase que em desabalada correria para atender ao chamado. Do outro lado da linha escuta mesmo o quê? A voz do ator, cantor e compositor Moacyr Franco oferecendo alguma "vantagem" para o incauto na ponta de cá. Aneim, minha gente! Que tristeza! Quanta frustração! Se ao menos o Moacyr estivesse ligando de viva voz, corpo presente, se é que me faço entender, seria legal bater um papo com o cara. Ele é fera, um dos melhores artistas brasileiros. Conversar com aquela criatura talentosíssima deveria ser interessante, imagino. No entanto, é só uma gravaçãozinha mesmo. Confesso, fiquei desapontado. 

Por essas e outras me pus a pensar o seguinte. E todos sabem, seguinte é o que segue... Será que isso funciona de verdade? Será que o elemento ouve aquilo lá e fecha o negócio proposto? Sei não, mas também sou incapaz de duvidar da eficiência de semelhante campanha ("armadilha") de marketing. Afinal, há gente para tudo nesta vida. Ouvimos no dia a dia tanta história maluca acontecendo até com criaturas, como direi, esclarecidas que, pegas no contra-pé, terminam por fazer besteiras cujos reflexos são sentidos depois nos bolsos, nas contas correntes, nas faturas dos cartões de crédito. Valei-nos, Santo Expedito!

Ah, sim! Ia me esquecendo de contar. Você não acredita que eu desliguei o telefone antes de ouvir a mensagem? Divino Pai Eterno! Acho que me precipitei. E agora estou me roendo de curiosidade. Será que perdi a oportunidade da minha vida? Terei deixado um "cavalo arreado" passar na minha frente sem montar no bicho? Ai ai ai ai ai ai. Só não caí no choro porque homem não chora. Eu e o Pablo somos assim.


Falando mais um pouquinho sobre a equipe de governo do prefeito Jânio Darrot

Indicações pessoais do prefeito e polêmica com o presidente de Agência Municipal recém-criada em Trindade



Conversando com alguns líderes políticos de Trindade nesses dias, foi possível perceber a insatisfação do pessoal com a escolha de várias peças do secretariado do prefeito Jânio Darrot (PSDB), que iniciou há 12 dias o segundo mandato, à frente de uma equipe formada de acordo com a imagem e semelhança da vontade política do alcaide trindadense.

As lideranças partidárias não teriam sido ouvidas a respeito dos nomes para a composição do governo municipal. Na política é comum o sujeito escutar os aliados, mas não ouvir a mensagem deles. É uma diferença sutil até, mas em política existe isso e muito mais ainda. Observando bem nome a nome no comando das Secretarias, Agências Municipais e outros órgãos do primeiro escalão da Prefeitura Municipal, fica difícil imaginar que os chefes das 13 legendas políticas que integraram a coligação “Trindade cada vez melhor” decidiram pela manutenção da mesma turma no poder, salvo raríssimas exceções.

O aproveitamento de candidato a vereador, que tentou e não conseguiu ser eleito ou reeleito, nas eleições de 2 de outubro do ano passado, em cargo de superintendente, que na hierarquia administrativa aparece logo abaixo do titular de uma Secretaria Municipal, acaba não sendo muito bem digerido pelos políticos, que enxergam numa decisão desse tipo um tanto de desmerecimento a quem participou das eleições pedindo votos para si e para o prefeito eleito. E isso sempre pode ser o estopim de um artefato político qualquer cuja explosão costuma dar início a guerras de egos feridos, com potencial para atrapalhar bastante qualquer gestão.

E o prefeito da “Capital da Fé” também estaria chateado pela repercussão fora do que ele próprio havia imaginado. Mas política é um trem custoso toda vida. Agradar todo mundo é impossível, acertar sempre ninguém consegue. Além disso, é preciso considerar que o poder é, digamos, como uma moeda e tem duas faces: bônus e ônus. O prefeito Jânio decidiu compor sua equipe de acordo com seu ponto de vista e é claro que críticas sempre vão aparecer, mesmo que o pessoal aqui ainda esteja meio que pisando em ovos. E sabe por quê? Há muitos cargos à espera de titulares. Entendeu, né? A esperança é a última que morre.

E para terminar isso aqui, vale a pena notar que o prefeito Jânio Darrot está vivendo os primeiros dias do seu segundo mandato. Logo, podemos dizer que estamos no início do fim.



Polêmica
Marcos Lago, ex-vereador, ex-presidente da Câmara Municipal de Trindade, já esteve à frente de Secretarias Municipais também, inclusive no primeiro mandato do prefeito Jânio Darrot. Marcos foi escolhido para ser o presidente da Agência Municipal de Segurança Pública (AMSP), criada na reforma administrativa proposta pelo atual chefe do poder Executivo, no finalzinho do ano passado.

Essa nomeação gerou contrariedade em setores ligados à Segurança Pública e áudios com críticas ao presidente da AMSP circulam pelas redes sociais trazendo polêmica para a área de atuação de um órgão que acaba de ser criado na esfera municipal.

Marcos Lago botou lenha na fogueira em vídeo que mostramos logo abaixo, pois justificou sua ascensão ao posto de comando da Agência, dizendo, entre outras coisas, que “tendo um QI muito bom pra isso” qualquer pessoa pode comandar o serviço que acaba de assumir em Trindade. Nem todo mundo concorda com o presidente que não se deu conta do significado negativo da sigla “QI”.

O busílis, internauta que às vezes nos prestigia acessando este blog, tem a ver com sentido negativo de “QI”, neste caso, não entendido como “Quociente de Inteligência”, mas sim como aquele do “Quem Indica” ou o “padrinho” responsável por nomeações em importantes posições de mando no Serviço Público como um todo.

Alguém editou o vídeo da entrevista do presidente Marcos Lago, lógico que destacou bem a frase “tendo um QI muito bom pra isso”, espalhou nas redes sociais e o trem viralizou. Resultado é que não daria em outra coisa, o prefeito Jânio Darrot acaba sendo alcançado pelos respingos da declaração infeliz de um auxiliar guindado ao poder pelo escolha pessoal de “Sua Excelência”. É do jogo sim, senhor. Agora é esperar que os gestores dessa nova Agência apresentem resultados positivos para a população que paga um salário bacana demais da conta para o seu titular, mais de R$ 10 mil todo santo mês. É isso aí!




quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

E por falar em descanso remunerado

Dúvida que sempre ocorre em tempo de ócio do trabalhador



Paisagem bonita no litoral de Natal, no Rio Grande do Norte.

Férias...
Por quê você dura tão pouco assim, sua linda?
Ah, é porque a dura realidade sempre se impõe, não é mesmo?
Andemos, pois.
O tempo urge.
Ou ruge, como dizia o Vicente Matheus.
Mãos à obra então.


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Juruna inicia os trabalhos com o status de estrela da equipe

Profissional competente e detentor de vasto conhecimento técnico da área em que atua, Juruna deve se destacar no secretariado municipal


Secretário Juruna em entrevista à TV Anhanguera.




Sebastião Ferreira Leite, Juruna, secretário de Planejamento Urbano da Prefeitura de Trindade, recém-empossado na equipe comandada pelo prefeito reeleito Jânio Darrot (PSDB), iniciou os trabalhos de modo, digamos assim, bem profissional. No staff do secretário há inclusive a presença de uma assessora de imprensa. Trata-se de coisa inédita no secretariado da outrora chamada “Barro Preto”. Ontem mesmo o secretário já concedeu entrevistas a veículos de comunicação da Capital, um claro sinal de que a pasta terá uma importância inédita na atual gestão municipal. Para falar de um modo bem direto e simples mesmo, Juruna entende bastante do riscado e sabe, como poucos, o que é preciso ser feito na área sob sua responsabilidade e como fazer, principalmente quando o tema é regularização fundiária. Além do mais, trata-se de um profissional experiente no ramo do direito imobiliário, que se comunica bem, não costuma fugir aos debates, tem jogo de cintura e não será surpresa nenhuma se daqui a pouco tiver seu nome cogitado, lembrado, mencionado, para concorrer à sucessão do prefeito Jânio nas eleições municipais de 2020 (em política o calendário costuma ser um tantinho mais acelerado, todo mundo sabe disso). Duvida que o secretário Juruna sabe perfeitamente bem “mexer o doce” na política? Ora, veja que ele era simplesmente secretário de Planejamento Urbano de Goiânia, na administração do prefeito do PT, Paulo Garcia. Continua duvidando ainda da expertise política do novo secretário trindadense, internauta reticente? Por essas e outras é possível dizer que o secretário Juruna não aceitou o cargo que ocupa desde Domingo (1) para fazer mera figuração por aqui. Juruna deve ser a estrela desta requentada equipe de secretários municipais sob Jânio Darrot, que só tem a ganhar, numa hipótese dessas. Afinal, o prefeito indicou todos os secretários, Juruna inclusive.


“Belém, belém...”

Pintou climão entre os vereadores Marden Jr e Felinho



Marden discursando e Felinho "pensando".
Até pouco tempo as crianças diziam isso umas às outras quando ocorria uma treta qualquer entre elas. Dando tapinhas no próprio rosto, o amigo mais contrariado dizia “belém, belém, nunca mais de bem”, jurando que a amizade estava desfeita a partir daquele momento. O rompimento, muitas vezes, durava até que a outra parte pedisse desculpas ou simplesmente puxasse assunto. Quem não se lembra disso, né?

Este nariz de cera todo foi apenas para dizer que pintou um climão na relação política entre os vereadores Marden Jr e Felinho, ambos do PP. E tudo por causa do processo que desaguou na eleição do vereador Hélio Braz (PSDB) para a presidência da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Trindade para o biênio 2017-2018. Marden Jr estava acertado que votaria em Felinho para o cargo. Aquela base do #tamujunto. Só que o Felinho deve ter percebido que não venceria a peleja, capitulou à proposta para contentar-se com a primeira secretaria do Legislativo trindadense, sem ao menos falar com seu colega de partido.

Ninguém disse “belém, belém...” neste episódio, evidentemente. No entanto, quem ouviu o discurso do vereador Marden Jr ao lançar sua candidatura a presidente da Câmara, na sessão de Domingo (1), enquanto Felinho permaneceu um bom tempo de cabeça baixa, percebeu ali que houve um certo estremecimento numa relação política que está apenas começando. E, diante disso tudo, somos levados a concluir que o início não foi legal. Pois é, pois é, pois é.


Blog do Sérgio Vieira - Notícias e Opiniões de Trindade e Região