quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Político gosta mesmo é de disputar eleições

A cada eleição os políticos se revezam nas críticas mútuas, são eleitos e antes de terminarem os mandatos candidatam-se novamente



Sei não, mas acho que os políticos gostam mais de disputar e vencer eleições do que estar no poder. Já reparou como é que os caras, de 2 em 2 anos, estão aí disputando votos? Numa eleição o cabra se candidata a vereador ou a prefeito; na sequência, nem conclui o mandato e já se candidata a deputado estadual ou federal, e vamos que vamos. O ciclo se repete logo em seguida e todo mundo, eleitores e políticos, vão se encontrando e reencontrando a cada eleição, sem qualquer susto.

Veja, a propósito, os candidatos a prefeito de Trindade. O Alexandre Compleite, hoje no DEM, disputou eleições para vereador no PMDB, foi eleito, e enquanto corria o mandato no Legislativo trindadense, se candidatou a deputado estadual, não venceu, e agora é candidato a prefeito. Dr. Antonio Carlos, agora no PR, disputou cargo de vereador pelo PSDB, se elegeu, tentou ser deputado estadual e não conseguiu, insistiu e foi eleito já no PDT, o mandato na Assembleia Legislativa de Goiás está em curso e ele já se candidata agora a prefeito.

O atual prefeito Jânio Darrot (PSDB) tentou ser prefeito uma vez e perdeu; na sequência se candidatou a deputado estadual e foi eleito, mas se afastou para assumir uma Secretaria de Estado sem lá muito quê nem pra quê, logo em seguida se candidatou a prefeito novamente, venceu e agora quer mais um mandato para chamar de seu. Com Ricardo Fortunato a coisa se repete, pois ele tentou ser prefeito certa feita e não deu certo, disputou uma vaga de vereador e conseguiu, quis ser deputado estadual e faltaram-lhe votos, insistiu em ser prefeito e acabou conseguindo, concorreu à reeleição mas a votação foi insuficiente para tanto. Agora Fortunato é candidato a prefeito de novo.

Por essas e outras é que eu fico com essa impressão de que os caras gostam mesmo é de disputar eleições, ficar ali discursando, criticando o trabalho uns dos outros, mas ainda nem bem se assentam nos lugares conquistados com o emprego de muitos esforços físicos, intelectuais e financeiros, já miram em outro posto na estrutura do poder público deixando muitas coisas por serem feitas ao longo do caminho. É estranho isso aí. Mas o povo se importa com isso não. Afinal, elege quase que os mesmos camaradas eleição sim e outra também. Ou não?


terça-feira, 23 de agosto de 2016

10 perguntas para escolher seu candidato a vereador

O eleitor pode e deve analisar muito bem os 277 candidatos a vereador de Trindade



Recebi a mensagem abaixo de um amigo lá nas bandas do Whats App. Resolvi compartilhar aqui por se tratar de um tema do momento, as eleições municipais já estão nas ruas com os candidatos a prefeito e um batalhão, no caso de Trindade, formado por 277 Candidatos a Vereador.. O que significa 16 candidatos por vaga.

É, a disputa não é fraca não. E o melhor é que os 78.166 eleitores aptos a votar este ano, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), dessa forma, têm várias opções para escolher melhor seus representantes na Câmara Municipal de Trindade, para o período de janeiro de 2017 a dezembro 2020.

O breve texto abaixo, cuja autoria não consegui estabelecer, é composto por 10 perguntas que o eleitor pode e deve fazer ou diretamente ao candidato ou analisando as mensagens, discursos, decisões, manifestações daqueles que estão de olho numa das cadeiras no plenário Hilton Monteiro da Rocha, onde são realizadas as 5 sessões mensais e ordinárias do Legislativo trindadense, em sua sede no Jardim Primavera.

E participar daquele colegiado que representa os 117.454 habitantes de Trindade, conforme estimativa para este ano, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dá direito ao sujeito ter um salário de mais de R$ 10 mil, contar com gabinete com assessores, ar-condicionado, ligações telefônicas e outros serviços por conta do contribuinte trindadense.

Por essas e outras, internautas, leiam com atenção, analisem as propostas dos candidatos, todos eles, se possível, sejam responsáveis com vocês próprios e com a comunidade, e votem cientes de que o poder emana do povo, mas o povo precisa estar atento à atuação dos seus representantes. É isso aí!

___________________________________________________________________


VOCÊ É CANDIDATO?

Que bom, estou à procura de um bom candidato para votar.

Qual sua formação acadêmica?

Tem experiência em administração?

Você possuí renda suficiente para não precisar da política para sobreviver?

Você sabe qual a função de um vereador e de um prefeito?

Você já dirigiu alguma empresa?

Qual seu grau de experiência em humanas e exatas?

Qual seu nível de conhecimento da Constituição Federal?

Conhece a Lei Orgânica do Município?

Você tem autonomia para votar em conformidade com a população e as reais necessidades do município ou está subordinado aos interesses de partidos?


Autoria desconhecida


Eleições 2016: A quem interessar possa...

Tentando entrevistar os quatro candidatos a prefeito de Trindade



O objetivo deste blogueiro é entrevistar os quatro candidatos a prefeito de Trindade nestas eleições de 2 de outubro, e tem que ser rápido, pois o tempo urge. Agora, isso depende também, claro, do interesse do candidato. Até o momento consegui falar com o Alexandre Compleite (DEM) e o Dr. Antonio Carlos (PR) e as respectivas entrevistas estão aí publicadas. Quanto ao prefeito Jânio Darrot (PSDB), já liguei num monte de números de celular e nada. Falei com gente da assessoria dele e a coisa continuar da mesma forma, parada mesmo. Pelo vice-prefeito Gleysson Cabriny (PSDB) enviei as perguntas da entrevista, via e-mail, e continuo daqui aguardando a resposta de Sua Excelência, e vamos ficando assim. Falei agora a pouco ao telefone com o candidato Ricardo Fortunato (PMDB) e agendamos nossa conversa para hoje ainda, no final tarde. Vejamos se a coisa acontece.


segunda-feira, 22 de agosto de 2016

ENTREVISTA: Dr. Antonio Carlos (PR), candidato a prefeito

Candidato a prefeito com apoio de George Morais e Flávia Morais fala que é possível fazer mais por Trindade, especialmente nas áreas de Saúde e até na Segurança Pública




Antonio Carlos Caetano de Moraes (foto) é médico ginecologista, já foi vereador em Trindade, presidente da Câmara Municipal, diretor do Hospital de Urgências de Trindade (HUTRIN), por quatro anos, sendo 2 anos na gestão do então prefeito George Morais e outros 2 na gestão do prefeito Ricardo Fortunato de quem inclusive foi companheiro de chapa nas eleições municipais de 2012, como candidato a vice-prefeito. Eleito deputado estadual pelo PDT, em 2014, sob o comando de George e Flávia Morais, Dr. Antonio resolveu trocou de legenda no ano passadao para viabilizar seu projeto de se candidatar a prefeito de Trindade nas eleições de 2 de outubro deste ano. No domingo (21), pela manhã, conversamos com o candidato em sua casa, em Trindade. O resultado da conversa é a entrevista exclusiva ao Blog do Sérgio Vieira que segue na íntegra. Boa leitura.

Blog - Por quê o Sr. quer ser candidato a prefeito?
Dr. Antonio – Olha, eu comecei uma vida pública, assim no sentido de cargos eletivos, em 2008, quando eu me candidatei a vereador de Trindade. Fui eleito com uma votação expressiva. Então, a minha vida pública, no sentido eleitoral, é uma vida curta, apenas 8 anos eu participo concorrendo a um cargo eletivo. Concorri em 2008, concorri a vereador, vui eleito. Em 2010 tentei uma vaga na Assembleia Legislativa, não tive êxito. Em 2012, concorri a vice-prefeito de Trindade [na chapa com Ricardo Fortunato], também não tive êxito. Em 2014 fui eleito deputado estadual, sendo o primeiro colocado aqui em Trindade, numa eleição em que Trindade tinha 12 candidatos a deputado estadual e, hoje, como deputado estadual, representante de Trindade, eu vejo que, se eu tiver oportunidade de ser o prefeito de Trindade, nós podemos fazer mais do que está sendo feito. Eu vejo que a prioridade da minha gestão será o ser humano. Nós vamos cuidar do ser humano em primeiro lugar. E cuidar do ser humano estão envolvidas muitas coisas que com certeza vão ser comentadas durante esta entrevista.

Blog – Qual avaliação que o Sr. faz do atual momento político de Trindade?
Dr. Antonio – Nós, hoje, estamos nessa disputa onde temos 4 candidatos a prefeito, o candidato à reeleição, o Jânio Darrot (PSDB), o ex-prefeito Ricardo Fortunato (PMDB), o Dr. Antonio (PR) e o Alexandre Compleite (DEM). Então, eu vejo que é um momento de renovação. A gente vê que a condição hoje que se encontra o país, um descrédito geral da população diante dos políticos brasileiros, então a gente vê que o momento é oportuno daqueles que não tiveram a oportunidade. Então eu vejo que é muito favorável para a renovação. Em termos de renovação, seria eu ou o Compleite, porque os outros dois já foram prefeitos e as pessoas já sabem como que foram suas administrações. Então eu vejo com muita esperança e a cada dia essa esperança aumenta tendo pessoas aglomerando espontaneamente à nossa candidatura, uma candidatura essa que é da simplicidade, da humildade e da honestidade. Eu acho que é uma coisa fundamental, hoje, na política para que as pessoas voltem a acreditar nos políticos brasileiros, é combater a corrupção. E a corrupção se combate, inicialmente, quando você não compra um voto, quando você não estimula o eleitor a votar por benesses dadas durante esse processo [eleitoral]. Então, nós vamos trabalhar uma eleição ajudando a Justiça Eleitoral a combater a forma errada de fazer política.

Blog – O grupo político que está no poder no município tem deixado a desejar, na sua opinião?
Dr. Antonio – Sim, basta a gente pegar o plano de governo anterior, né? O projeto de governo do atual prefeito Jânio Darrot, que a gente vê que ele deixa, e muito, a desejar. Ele não cumpriu 20% daquilo que ele prometeu. Especificamente na área da Saúde, ele prometeu Maternidade 24 horas. Hoje eu convivo, como médico ginecologista, querido na sociedade de Trindade, principalmente naquelas mais humildes, eu todo dia tenho pessoas que me procuram pedindo pra que as ajude num parto e, dentro do possível, a gente tem feito isso, porque, hoje em Trindade, só pode se nascer nas terças e quintas-feiras. Não exite uma Maternidade 24 horas, como foi prometido. Na campanha anterior, o prefeito prometeu Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital de Urgências de Trindade (HUTRIN) e não existe UTI no HUTRIN. Todos os dias tem pessoas me ligando para ver se eu consigo uma vaga em Goiânia em UTI. Então, isso aí já ,mostra e muitas outras coisas que ele prometeu e não cumpriu, inclusive falou que registrou [o plano de governo] em Cartório. Na verdade, ele não registrou em Cartório, ele apenas fez uma assinatura, né, e reconheceu a firma da assinatura e saiu falando nas promessas dele que ele teria registrado em Cartório esses projetos.

Blog – Qual a maior falha da atual administração, no seu ponto de vista?
Dr. Antonio – Acho que uma falha importante é isso, de não ter cumprido aquilo que ele prometeu. Eu acho que a gente tem que fazer um plano de governo ciente daquilo que é possível de fazer, para você não começar por aí enganando o povo. E segundo, é que nós, a administração, tem que ser encarada e executada com o que há de melhor, em termos de planejamento, de execução. Eu acho que nós temos que ter pessoas técnicas, pessoas que não sejam no plano pessoal, no plano familiar, no plano político, mas a administração deve ser executada por técnicos e a gente vê esse grande falha que, no mínimo, 5 Secretarias são administradas por pessoas familiares do prefeito. Então, a gente nisso aí que são benesses que dificultam uma boa administração.

Blog – Compadres demais atrapalham?
Dr. Antonio – Compadres demais, justamente isso aí, né? Fui intitulada aí a administração dos compadres. Na verdade eu nem sei se todos são compadres, mas que são políticos que têm um envolvimento até de primeiro grau, em termos familiares, concunhados, cunhados, primos de primeiro grau, então, no mínimo, tem 5 Secretárias nessa situação.

Blog – O Sr. enxerga méritos na atual administração municipal?
Dr. Antonio – Sim, tem coisas boas. Eu acho uma grande conquista para a Prefeitura de Trindade o HUTRIN, onde eu fui diretor por 4 anos. Naquela época, quando foi inaugurado em 2007, o HUTRIN era mantido com a receita do município e ficou assim até, mais ou menos, dois anos. Hoje, o HUTRIN é administrado com verbas do Estado através de uma Organização Social (OS). Isso é um benefício muito grande. É uma economia aí de mais de R$ 1,0 milhão de reais para os cofres da Prefeitura Municipal. Então esse aí é um benefício que veio nessa administração. Vieram outros benefícios. Aliás, a maioria dos benefícios que vieram nesses últimos três anos ou vieram do governo estadual ou vieram do governo federal. Então, temos benefícios que vieram, mesmo que a gente sabe que não foram recursos municipais.

Blog – Ser deputado estadual não lhe agradou ou não correspondeu às suas expectativas?
Dr. Antonio – Não, me agradou e correspondeu às minhas expectativas. Eu fui vereador, o deputado estadual, nos termos legais, tem as mesmas prerrogativas de um vereador. Eu já conhecia e sabia o que que eu teria, as minhas obrigações como deputado estadual. Então é assim, me agradou e correspondeu àquilo que eu esperava. Só que um deputado, como um vereador, ele não tem o poder de caneta. Não tem como eu executar uma coisa que eu penso, uma coisa que eu acho que é melhor para a sociedade. Então, por isso a gente está em busca da vaga de prefeito de Trindade, porque eu tenho certeza que na minha simplicidade, no meu perfil, sem vaidade financeira, eu vou administrar o bem público para o povo, para os benefícios que eu sei que o povo necessita. Eu tive a oportunidade de ser o presidente da Câmara Municipal de Trindade, então eu administrei recursos públicos durante um ano. Então, o balancete meu do ano de 2009 foi, dois anos depois, foi questão até de ser parabenizada. O presidente Paulo Ortegal [do Tribunal de Contas dos Municípios] na época, me ligou parabenizando por ter tido um balancete sem nem uma ressalva. Então, a gente tem o zelo, o cuidado com o dinheiro público. A minha vida particular é uma coisa. Eu posso até dar aquilo que eu não tenho, porque eu gosto de ajudar as pessoas. Agora, o bem público não é meu. Então, eu vou administrar os recursos para o benefício da população.

Blog – Mas e os seus eleitores, que votaram no Sr. em outros municípios, o Sr. deixa o mandato e vem. E não é só o Sr. que faz isso não, inclusive o próprio prefeito Jânio Darrot, era deputado estadual e se candidatou a prefeito também, mas como que o Sr. pensa nisso? Como é que eles ficam?
Dr. Antonio – É, na verdade, acaba que no início há uma certa insatisfação, principalmente das lideranças. Hoje, eu tenho seis líderes políticos no interior de Goiás que são candidatos a prefeito, que me ajudaram desde as eleições de 2010, onde eu não obtive êxito e continuaram comigo pelo trabalho que eu presto nos seus municípios. No início eles ficaram insatisfeitos, acharam que ia prejudicar a campanha deles, mas com o tempo eles enxergaram que isso poderia ser visto de uma outra ótica. Eu prometi a eles que, pelo menos, um dia da semana eu vou andar com eles na campanha. A gente vai estar gravando vídeos pedindo à população. Neste seis municípios em que tenho candidatos a prefeito eu tive uma votação expressiva, sou o representante, o mais bem votado nesses municípios. Então, a gente também está galgando um sonho e as pessoas acabam entendendo. Num primeiro momento tem uma insatisfação e depois as pessoas vêem que a gente tem um sonho e acabam entendendo essa situação.

Blog – A propósito, uma curiosidade, como político é melhor estar no poder estar disputando eleições?
Dr. Antonio – Olha, estar no poder é, como diz, como a gente vê, as pessoas usam as máquinas. Usa a máquina administrativa. Ontem [sábado, 20] mesmo, a gente estava numa reunião política simples, com estrutura básica de pessoas e de cadeiras enquanto a gente escutava queima de fogos aí. A gente sabe que atrás daquilo ali é dinheiro público que está sendo queimado. Então, a máquina administrativa ajuda nessa situação financeira, ajuda levando pessoas para os comícios e a gente fica até triste com isso. Já está sabendo que as pessoas estão sendo constrangidas, exigindo que elas vão para os comícios, para as reuniões. Então a gente vê isso com tristeza. O momento eleitoral é um momento da gente expressar as nossas vontades, com liberdade e, na verdade, as administrações que a gente tem visto aí agem coagindo as pessoas.

Blog – Os apoios de George e Flávia Morais (PDT) foram decisivos para que o Sr. se decidisse candidatar-se a prefeito de Trindade?
Dr. Antonio – Sim, eu nos últimos dias antes das convenções partidárias, nós vimos que havia necessidade de fazer uma união dos partidos contrários à administração municipal. Conversamos com todos e eu vejo hoje que a União da Flávia e Dr. George, do PDT, vindo comigo foi um coisa que, no meu entender, foi uma coisa de Deus. Isso realmente me fortaleceu, porque a deputada Flávia é muito querida em Trindade. A deputada Flávia, espontaneamente, ela tem 30% dos eleitores de Trindade, em qualquer pesquisa eleitoral sem ele estar trabalhando. Então isso foi muito importante para mim.

Blog – Mas o Sr. teria sido candidato mesmo sem o apoio deles?
Dr. Antonio – Sim, até foi uma questão, foi esse o motivo que acabou sendo decisivo para ela me apoio, porque eu bati o pé que eu não ia desistir desse projeto de ser candidato a prefeito. O Dr. George (PDT) como presidente do partido, tentou essa conversa mas eu insistir no projeto de ser candidato a prefeito e acabou com ela desistindo. E até porque, essa questão das pressões dos municípios, e ela logicamente tem muito mais municípios do que eu. O PDT hoje tem candidatos a prefeitos em mais de 80 cidades. Uma chance real de fazer prefeitos em 30 municípios. Então foi um desses fatores que ela acabou desistindo desse projeto aqui e me apoiando, mesmo que nós já tivemos algumas divergências quando eu mudei de partido, mas que foi também já por uma união, por uma Trindade que a gente acredita que pode ser melhor do que está, houve essa união e todas as situações anteriores foram absorvidas.

Blog – Num eventual governo municipal sob o seu comando qual será o papel ou papéis e participação, participações do George e da Flávia Morais? Como eles vão participar do seu governo.
Dr. Antonio – Não, na verdade não houve essa discussão, não houve qualquer barganha em troca de apoio. Agora, política acaba que você prestigia os grupos políticos, não só o PDT, mas hoje nós temos 12 partidos na nossa coligação e logicamente todos os nossos pré-candidatos, todos os nossos candidatos a vereador, todos os nossos partidos, terão seus espaços e isso faz parte de uma administração pública que é conquistada não pelo Dr. Antonio, mas por um grupo todo. Então a gente na época certa vai discutir essas questões.

Blog – Houve negociações entre o prefeito Jânio Darrot e George Morais e Flávia Morais que não avançaram, evidentemente. Se tivessem avançado eles não teria dado apoio ao Sr. Qual foi o motivo de vocês terem conseguido fechar esse acordo para disputar a Prefeitura de Trindade juntos.
Dr. Antonio – Na verdade, como eu disse, não houve nenhum acordo. Quando eu procurei os diversos partidos. Procurei o Dr. George, assim como também procurei o Ricardo Fortunato, como procurei o Alexandre Compleite, a gente, num primeiro momento, eu conversei com eles até no sentido de indicar o vice, até mesmo com o meu vice atual, o Curicas, nós conversamos com ele também. Então, e sempre conversamos, às vezes até sobre a possibilidade de um indicar o vice do outro. A gente não tinha ainda aquela previsão do que aconteceu, que foi a Flávia vir comigo. Então, a gente... conversei com o Ricardo, com o Compleite, no sentido da gente unir e o vice ser indicado por eles. Nas conversas minhas eu não abria mão de ser o candidato a prefeito. Quando culminou com a situação da Flávia vir comigo, o próprio PDT abriu mão de indicar o vice para que a gente ficasse mais forte. Aí a primeira conversa foi com o Ricardo, de levar o vice par a indicação dele, ele não aceitou. O projeto dele também era ser candidato a prefeito. Aí fomos para o Curicas e aí realmente deu certo. O Curicas já estava fechado com apoios. Ele é evangélico, já tinha apoio através do deputado João Campos, com a maioria dos campos da Igreja evangélica e fechamos com o Curicas e até por ser o representante da Trindade Dois, hoje é o único candidato a vice que mora em Trindade Dois. Então, nós contemplamos até a Trindade Dois com a indicação do vice.

Blog – É perfeitamente aceitável a ideia de que George e Flávia vão indicar secretários no seu governo?
Dr. Antonio – É como eu falei, não existe este compromisso, mas vamos estar conversando com todo grupo político.

Blog – E o ex-deputado federal José Tatico, ele terá algum papel de relevância em sua administração, caso o Sr. Vença agora dia 2 de outubro?
Dr. Antonio – Não, o Sr. José Tatico é meu companheiro, meu amigo, que sempre tem me ajudado com sua experiência, mas o Sr. José ele nem tem negócios em Trindade. É um empresário da região do Entorno de Brasília, é um amigo. Na verdade, eu tenho certeza que a minha eleição vai trazer muita alegra pra ele, mas sem ele esperar nada por isso. Até mesmo questões políticas, ele fala que não vai mais mexer com política, que não vai voltar a ser candidato a deputado federal. Então, ele assim é um amigo que quer ver realizado esse sonho meu de ser prefeito, mas sem ter nenhum interesse aqui.

Blog – Ele vai caminhar aqui com o Sr. por Trindade?
Dr. Antonio – Eu espero que sim. Eu convidei ele para estar aqui. Ele me prometeu que, pelo menos, em um comício ele virá. Mas o Sr. José é um homem muito ocupado, não sei, mas se vier vai ser muito bom. Eu tenho certeza que até os amigos, candidatos a vereador, sempre cobram a presença dele, querem conhecê-lo. Ele é uma pessoa simples, uma pessoa com um poder econômico grande, mas uma humildade muito grande, uma pessoa de uma experiência muito grande, um contador de “causo” que passa horas com a gente conversando, com alegria. Então as pessoas que o conhecem eu tenho certeza que falam bem dele.

Blog – O seu plano de governo já está pronto? O que é possível falar sobre esse documento hoje, neste momento?
Dr. Antonio – Está pronto. Nós tivemos dois técnicos trabalhando que nos ajudaram na elaboração. Nós levamos ao conhecimento da situação de Trindade e eles, com a formação técnica deles, elaboraram um plano de governo realmente valorizando o ser humano.

Blog – Se eleito, qual deve ser sua primeira medida?
Dr. Antonio – Bom, eu tenho sempre falado, e como vivencio o sofrimento das pessoas na Saúde, especialmente em duas situações... Na verdade, existem várias situações em que a gente é procurado no dia a dia, mas duas situações corriqueiras, que é a situação da Maternidade em Trindade. Nós temos, como já disse, as nossas gestantes, que anteriormente, nos 4 anos em que estive no HUTRIN, nós tínhamos Maternidade 24 horas, e hoje só tem Maternidade nos dias de terças e quintas-feiras. Então, no primeiro momento, nós vamos estar conversando com a direção da Organização Social (OS) [que cuida da gestão do HUTRIN], que é uma coisa de suma importância, manter esse convênio com o Governo do Estado, de continuar mantendo o HUTRIN e isso é uma coisa que nós vamos exigir do Governo Estado. Eu tenho certeza que sempre essa preocupação do Governo, sempre essa dedicação que o Governo tem com Trindade que seja para sempre, independentemente de quem seja o prefeito. Então, nós vamos procurá-lo para mantermos esse convênio com o HUTRIN e vamos procurar a direção da OS para buscar a possibilidade de termos uma Maternidade 24 horas no HUTRIN. Se não houver essa possibilidade, nós vamos estar procurando os dois Hospitais de Trindade, que a gente sabe que, hoje, estão passando por dificuldades porque o Governo Municipal não está prestigiando esses dois hospitais que existem em Trindade e a gente sabe que esses hospitais dependem também do Sistema Único de Saúde (SUS) e vamos estar conversando com eles para que a gente faça o trabalho de Maternidade nesses hospitais. Então, uma coisa que nós vamos estabelecer nos primeiros dias, é Maternidade 24 horas em Trindade. Outra coisa que a gente vive dia a dia é a falta de leitos de UTI. Eu vejo que R$ 1,00 milhão que eram gastos com o HUTRIN e que hoje não são gastos mais, podem colocar, no mínimo, 8 leitos de UTI aqui no HUTRIN. Por normas da Organização Mundial de Saúde (OMS), cada 8 leitos de UTI tem que ter um médico. Então, no mínimo, 8 leitos de UTI nós vamos ter no HUTRIN, porque até existem os aparelhos, com relação aos leitos de UTI aqui no HUTRIN, só que por vontade político é que não houve a implantação. Então, nós vamos implantar os leitos de UTI assim que nós assumirmos o governo municipal.

Blog – É possível dizer algo que o Sr. sendo prefeito de Trindade não faria de jeito nenhum?
Dr. Antonio – É possível. Eu vejo que existem muitos contratos aí para beneficiar pessoas já endinheiradas. Contratos aí com pessoas que têm máquinas, às vezes, três máquinas e só uma trabalha. Dois ônibus e só um trabalha. Terrenos aí sem ter nenhum valor, nenhum benefício para a sociedade. Casas e outros imóveis alugados pela Prefeitura também sem que seja beneficiada a população. Então nós vamos ter seriedade com o dinheiro público e isto eu farei assim com presteza. Nós não vamos ser governo de beneficiar ninguém. Vamos administrar o recurso público para o povo.

Blog – A gente já falou mas... O Serviço Público de Saúde Municipal vai bem, em Trindade?
Dr. Antonio – Vai muito mal. Vai muito mal. Eu tenho contato, no mínimo, com 60 pessoas de Trindade todos os dias. Eu sou deputado e atendo a cerca de 60 pessoas de Trindade todos os dias, de segunda-feira à sexta-feira. Agora estou parado, né, por força da Justiça Eleitoral que determina que a gente não atenda em Serviço Público e também Serviço Filantrópico, três meses antes das eleições, mas eu convivo com muita gente que me procura. E me procura por falta uma receita de medicamento controlado porque a maioria dos 30 Postos de Saúde da Prefeitura de Trindade não tem médico. Por quê não tem médico? Porque paga muito pouco para um médico fazer o seu horário na estratégia da Saúde da Família. Hoje um médico paga [recebe] para trabalhar, seria 8 horas o contrato do Ministério da Saúde, e 8 horas de segunda-feira à sexta-feira. Aí eles pegam e fazem uma combinação com o médico dele vir só quatro vezes por semana, mas paga aí em torno de 5 a 6 mil reais. O médico não para. O quê que tem que haver? Haver uma valorização do profissional, dar uma prioridade para que esse profissional faça a estratégia da família e incentive-o com a produção, dando a ele um plantão no HUTRIN, criar situação para que o cara faça um salário melhor e que se estabeleça em Trindade. Procura valorizá-lo com a produção, porque os poucos médicos que têm ainda são agendados, por dia, 14 consultas. Eu tenho certeza que cada unidade daquela lá tem 20 funcionários e são atendidas 14 pessoas por dia. Eu estou falando, eu atendo nas associações em que eu presto serviço voluntário, associações de bairros, na associação dos voluntários do Divino Pai Eterno, atendemos 60 pessoas num dia. Um médico que está ali ganhando atende 14 consultas. Então a gente vê assim gente todo dia reclamando, pessoas que levam exames, pedidos de exames para a Secretaria da Saúde e não são contempladas com o exame, com a consulta em suas especialidades, pessoas que são atendidas no HUTRIN encaminhadas ao ambulatório de pequenas cirurgias e esse ambulatório não existe ou se existe em determinadas fases, faz 10 pequenas cirurgias por semana. Às vezes, eu faço 30 pequenas cirurgias numa manhã. Tem situações que eu fico triste. Me procuram até aqui em casa. Pessoa com uma unha encravada, com abcesso de pele, vai lá no HUTRIN passa uma bezetacil, mas não faz o precedimento que tem que ser feito. Então, isso é diário e você pode ter certeza, conosco isso vai acabar. Se for preciso, o Dr. Antonio vai fazer, vai conversar com os médicos e incentivá-los a abraçar a causa.

Blog – Se eleito o Sr. pretende dar um pouco de atenção à Segurança Pública no município? A gente sabe que Segurança Pública é um serviço do Governo do Estado, mas o Sr. pensa a respeito?
Dr. Antonio – A maioria dos prefeitos joga a culpa no Estado e o Estado realmente é responsável pela segurança, vamos dizer assim, na parte repreensiva da Segurança, com policial militar, com policial civil, com os carros e as viaturas, mas Segurança também não é só repreender. Um Major da Polícia Militar [que ajudou na elaboração do candidato Dr. Antonio] trata a Segurança Pública num tripé, em que ele fala, que a terceira perna é essa da repreensão da polícia atrás do bandido. Esse é realmente o Estado que é o responsável. A segunda perna são situações que estão diretamente relacionadas com a Prefeitura. Quais essas situações? Iluminação, lotes baldios sujos, casas de prostituição. Então isso aqui é diretamente relacionado ao município. Tem casa de prostituição que está sendo ali usada como distribuição de drogas, o município tem como ir lá e fechar. Iluminação o município é responsável. Limpeza dos lotes o município é responsável. Então, isso aqui são situações que favorecem a criminalidade. Então, o município tem como atacar isso aí. E a primeira perna do tripé, que vai ser a nossa bandeira, que é cuidar das nossas crianças com creches, com escolas em tempo integral. Se não conseguirmos escolas em tempo integral em todas as escolas vamos fazer convênios publicos-privados com academias, com escolinhas de futebol, com escolas de artes, de música. Nos temos um exemplo aqui no Laguna, não sei se você conhece, o Centro de Educação e Convivência Juvenil (CECONJ), que é um programa da Secretaria Estadual da Saúde, em que a Secretaria entra com a estrutura física. E o CECONJ aqui é uma tristeza, é um predinho muito ruim, de placa [concreto] e com os professores. Ali são 21 professores do CECONJ que trabalham e ganham pelo Estado e que tem que ter uma parceria com a Prefeitura e na administração do Jânio Darrot, lá não ganhou um bombril do município. São 1.050 alunos lá, que fazem aula de Judô, aula de Capoeira, Dança, Música, Violão, Teclado, Pintura, então e uma complementação escolar e não tem apoio do município, não tem um guarda que recebe lá pelo município, não tem um papel higiênico que é levado. Então, nós vamos cuidar das nossas crianças para que daqui a 6, 8 anos diminua a criminalidade. A gente sabe, hoje, estatisticamente, que a criminalidade está envolvida com a droga, com a dependência química. Então, se nós tratarmos essas crianças vai ser menos dependentes químicos, menos problemas sociais, menos problemas familiares e menos crimes. Então, essa aqui é a principal coisa que é a prefeitura que tem que cuidar. A longo prazo aí, 6 ou 8 anos, nós vamos diminuir a criminalidade, cruidando das nossas crianças. Então isso aqui são duas pernas desse tripé que a Prefeitura está aí inteiramente agindo na Segurança.

Blog – E para a economia de Trindade, o Sr. imagina alguma medida, talvez aí algo de incentivo à geração de emprego na cidade, o Sr. pensa alguma coisa?
Dr. Antonio – Uma nora do Seu José Tatico é prefeita de São Luiz de Montes Belos. Acabou de implantada lá a Hering, com 2,5 mil funcionários diretos. A Hering procurou, queria um polo industrial à margem da GO-060, procurou o prefeito aqui. Qual a exigência? 60 mil m² e a terraplenagem de 60 mil m². A gente agora há pouco viu aí, infelizmente os vereadores aprovaram, a venda aí de 38 mil m² de área nobre. O prefeito Jânio Darrot perdeu a Hering aqui em Trindade por não ter disponibilizado 60 mil m² que poderiam ser desapropriados ao longo da rodovia uma área barata e terraplenagem nessa área. Então, quer dizer, perdemos 2,5 mil empregos diretos, sem contar os impostos que iriam ser criados aqui com essa produção da Hering aqui. Então, nós vamos fazer isso, nós vamos estar buscando empresas para Trindade. Se for preciso desapropriar, nos vamos desapropriar, vamos atrás de recursos estaduais e federais para ajudar na desapropriação. Mas o que não podemos é deixar Trindade hoje com 120 mil pessoas e três empresas de grande porte. Nós não temos mais do que isso, empresas que têm mais de 300 funcionários. Então nós temos essa preocupação. E infelizmente, o Jânio, como um grande empresário da rede privada não incrementou isso aí.

Blog – E as finanças da Prefeitura de Trindade? Fala-se num receita aí de R$ 15 milhões, no máximo, por mês. Essa receita, essas finanças, elas comportam o seu plano de governo?
Dr. Antonio – O que nós não podemos é deixar a coisa andar para trás. Eu falei de uma situação atrás. Quando foi inaugurado o HUTRIN, tinha mais resolutividade do que tem hoje. Naquela época, a Prefeitura tinha uma receita de mais ou menos R$ 7 milhões, tinha uma policlínica com quase todas as especialidades de maior demanda, tinha Maternidade 24 horas, eu era diretor clínico. Nós éramos 14 cirurgiões lá no HUTRIN, contratados pela Prefeitura. E nós tínhamos os Postos de Saúde que, naquela época, funcionavam com regularidade de médico, muito maior do que hoje. Então, eu vejo que esses R$ 12 milhões, mais ou menos, que é direto da Prefeitura, com mais alguma incremento de convênios, com emendas parlamentares, isso aí é suficiente para fazer o projeto da valorização do ser humano. As obras de infra-estruturas que nós temos, nós vamos buscar parcerias, nós temos o apoio da deputada Flávia Morais, da deputada Magda Mofatto, do deputado federal João Campos. Então, nós estamos com três deputados federais que vão nos ajudar em Brasília, com as suas emendas parlamentares, abrindo as portas dos Ministérios. Então, eu tenho certeza que com essa receita nós faremos muito mais do que está sendo feito por Trindade.


sábado, 20 de agosto de 2016

Prefeitura de Trindade instala semáforos em vários cruzamentos da cidade

Obras públicas em plena temporada de caça ao voto deixo o eleitor meio desconfiado



Semáforo na Av. Manoel Monteiro com a Rua 46, Vila Carvelo
A Prefeitura Municipal de Trindade vem instalando novos semáforos em cruzamentos movimentados na cidade. E isso é muito bom. Ali na Avenida Dr. Irany Ferreira com a Rua João Braz (Beco dos Aflitos), na Praça da Igreja Matriz, por exemplo. Na Avenida Manoel Monteiro com a Rua 46, na Vila Carvelo, também. Foi-se o tempo em que a “Velha Trindade da Fé e do Amor” podia se dar o luxo de deixar o trânsito fluir por conta e risco dos motoristas e pedestres, pois a cada dia que passa aumenta a frota de veículos que circula por essas plagas.

Como um assunto puxa o outro... Bem, este blogueiro esteve na manhã deste sábado (20), saracoteando pelas ruas de Trindade e ali na Vila Carvelo, nas proximidades da Praça do Romeiro, onde fica também o Bar do Marinho, aquele responsável pela fabricação do melhor picolé de coco queimado do mundo, e vamos ser sinceros, a Prefeitura precisa agira urgentemente para sinalizar as ruas e avenidas da cidade. Que dificuldade o camarada enfrenta para encontrar endereços aqui na “Capital da Fé!”

Não custa muito lembrar que a “Terra Santa” já se tornou um ponto de convergência dos turistas brasileiros principalmente, e em especial aquelas pessoas religiosas e a maioria delas professando a fé católica. Então, é sinal de competência e cuidado dos gestores públicos providenciar a instalação pela cidade de placas com os nomes das ruas e avenidas e os bairros residenciais. Isso certamente facilita a localização dos visitantes quando buscam os destinos aqui na cidade. Se a gente que mora aqui passa um perrengue terrível para descobrir endereços, imagine bem como o visitante deve penar.

Voltando à instalação de semáforos, vale a pena destacar que, no geral, o que os prefeitos realizam em termos de serviços urbanos, ali muito próximo das eleições, acaba não surtindo efeitos positivos, considerando-se votação na urnas pelo eleitorado. E nunca é demais lembrar que estamos em plena campanha eleitoral com 4 candidatos a prefeito e, até o momento, 274 concorrentes aos cargos de vereador, pedindo votos. Quer dizer, isso de asfaltar, recapear ruas e avenidas, instalar equipamentos como os semáforos, pode vir a ser entendido pelos eleitores como meras ações eleitoreiras. “Se fez agora por quê não pedia ter feito antes?” Eis uma pergunta que muita gente se faz em ocasiões assim.

Agora, é bem melhor constatarmos a Prefeitura trabalhando do que a gente ficar com a impressão ruim de desleixo das autoridades com as obrigações públicas. É isso aí!


Academia Trindadense realiza hoje a Noite de Gala

Na programação apresentação musical e homenagem ao Padre Robson


Iraci Borges, Sérgio Vieira e Ana Lúcia.


Neste sábado (20), a partir das 19h, no auditório do Instituto Federal Goiano (IF Goiano), em Trindade, na Av. Hilton Monteiro da Rocha, Cristina II, a Academia Trindadense de Letras, Ciências e Artes (Atleca), realizará sua Noite de Gala, em comemoração aos 26 de fundação da entidade.

Da programação consta recital de música clássica, a assinatura do Termo de Colaboração Cultural entre a Atleca e o IF Goiano, a premiação do Concurso Literário de Redação entre alunos do Instituto, além de homenagem da entidade cultural ao Padre Robson de Oliveira Pereira, presidente-fundador da Associação Filhos do Pai Eterno (AFIPE), pela cessão da Casa Sede da Atleca.

Iraci Borges, presidente de honra da Atleca, nos convidou e estaremos no evento desta noite de sábado, com certeza.


quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Abadia de Goiás tem 7 candidatos a prefeito

Os abadienses irão às urnas para escolher vice-prefeito, prefeito e 9 vereadores






Na página da Justiça Eleitoral de hoje consta que 7 pessoas, todos homens, deram entrada nos respectivos registros de candidatos a prefeito de Abadia de Goiás, município desmembrado de Aragoiânia, Goiânia, Guapó e Trindade, cuja fundação ocorreu em 27 de dezembro de 1995, atualmente com uma população do tamanho de 7.895 habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Concorrem ao comando da Prefeitura Municipal de Abadia de Goiás, André da Farmácia (PTB), Divino Alves (DEM), Dr. Celso (PRB), Hélio Mendes (PROS), Professor Josué (PR), Romes Gomes (PSDB) e Valdeci Mendonça (PMDB). De saída, chama a atenção que Dr. Celso é ex-prefeito de Santa Bárbara de Goiás, enquanto que Valdeci Mendonça já esteve à frente do poder Executivo abadiense.

De olho nas 9 vagas de vereador no município, os 8.008 eleitores de Abadia de Goiás, conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), poderão escolher entre 112 candidatos que pediram os registros de suas candidaturas junto à Justiça Eleitoral. Ou seja, não é por falta de quem queira entrar para edilidade local que o Legislativo abadiense deixará de funcionar direitinho, no período de 2017-2020. Ah, sim! Percebeu aí, caro internauta atento a tudo, que em Abadia de Goiás há mais eleitores (8.008 cidadãos) do que moradores (7.895 habitantes)? Curioso isso.

Abadia de Goiás experimentou um forte salto de crescimento econômico nos últimos anos. Lá em 2011 o Produto Interno Bruto (PIB) era de R$ 58,6 milhões, mas houve um salto fantástico na economia local com a chegada de grandes empresas no município, elevando o PIB para R$ 174,4 milhões, em 2014. Com isso, o PIB per capta da brava gente abadiense está na casa dos R$ 10.547,00.

Antes de terminar essa notinha vale a pena salientar que o limite de gastos para uma campanha de prefeito no município, nas eleições deste ano, é de R$ 188.153,73, podendo contratar até 80 pessoas. Por sua vez, o limite de gastos para uma campanha de vereador em Abadia de Goiás é de R$ 10.803,91, podendo contratar até 40 pessoas.


De olho nas eleições proporcionais, para vereador, em Trindade

A disputa por uma das 17 vagas na Câmara Municipal de Trindade começa na formação das chapas de candidatos


Os líderes dos partidos têm dias corridos, conturbados e de intrincadas negociações até o término da montagem das coligações proporcionais e os respectivos registros na Justiça Eleitoral, visando à disputa das eleições municipais. Pode-se dizer que esses acordos todos acabam resultando numa espécie de cardápio político pelo qual o distinto público votante olha daqui e dali, escuta esse e aquele, não raras vezes, pede um favorzinho de cá e de lá e, só depois, define a escolha e vota.

Trata-se de um xadrez que não é fácil ser jogado. Depois disso tudo, começa-se a campanha, os caras vão à luta pedir votos, apura-se o resultado e é preciso considerar a votação de todos os candidatos, calcular o Quociente Eleitoral, isto é, o número de votos válidos dividido pela quantidade de vagas (nas eleições de 2012 o QE foi igual 3.619 votos). Ah, sim! É preciso calcular, na sequência, o tal do Quociente Partidário, a saber, o número de votos válidos obtidos pelo partido ou coligação dividido pelo Quociente Eleitoral. A coisa é complicada e só depois disso daí, é que a Justiça Eleitoral nos conta quais foram os candidatos eleitos para vereador.

Montar esse jogo todo é algo complexo, não dá para negar. Veja abaixo alguns breves comentários a respeito do que até o momento se sabe da formação de algumas chapas das quais devem sair os futuros vereadores da “Capital da Fé”, para o período de 2017-2020:


Os peemedebistas vão para a disputa das 17 vagas na Câmara Municipal de Trindade, nas eleições de 2 de outubro deste ano, coligados ao PEN e formaram uma chapa composta por 34 candidatos. O PMDB tem 32 nomes, dentre eles Carlos Domingues (Carlinhos da Câmara), Dona Irany Oliveira (ex-secretária de Assistência Social de Trindade e mãe do ex-prefeito Ricardo Fortunato), os vereadores Erik Cotrim e Luís do Barro Preto, Jário da Tok Final, dentre outros nomes de peso da política na região Leste, a Trindade Dois. Pessoal aí está trabalhando com a perspectiva de que, ao menos, três vereadores sejam eleitos.

*** *** *** *** ***

Outra coligação peso pesado que está na peleja para conquistar algumas cadeiras no Legislativo trindadense é integrada por 17 políticos, gente do PSDB-PV-PSD. Juntaram-se aí vereadores tucanos Ucleide “Ferruja” de Castro, Amigo Leobino, Hélio Braz e o ex-vereador Marcos Lago; pelo PSD, Dr. Dyego, Luiz Henrique e Bruno Manoel da Costa; o PV virá novamente com Agnelson Alves, presidente da Câmara de Trindade. Claro que há outros concorrentes menos comentados e todos estão animados com a possibilidade da coligação abiscoitar umas 4 vagas de vereadores, no pleito deste ano.

*** *** *** *** ***

Tem mais uma coligação considerada como poderosa na disputa eleitoral cuja campanha só está no começo aqui na “Capital da Fé”, quando o assunto é eleição para vereador. PHS-PPL-PT-Rede vão lançar uma chapa com 34 nomes, todos eles evidentemente de olhos muito bem abertos nas 17 vagas em jogo. No PHS, o nome de Max Cabeça é tido como forte; no PPL, os vereadores Samuel “Samuca” Albernaz e Marcelino têm boas chances; o PT está apostando suas fichas em Arquivaldo Filho e a Rede completa o time.

*** *** *** *** ***


Enquanto isso, sem coligação alguma, o Democratas trindadense deve concluir o registro de sua chapa puro sangue que deverá conter, pelo menos, 20 candidatos a vereador nas eleições do próximo dia 2 de outubro, segundo estimativa de líderes da legenda.


Entrevista: Alexandre Compleite, candidato a Prefeito de Trindade

“Eu entrei para ganhar e vou trabalhar para isso”

Candidato sem coligação nem mesmo para a chapa de vereadores, Alexandre declara crença em sua vitória e diz querer “uma chance de provar que posso fazer muito por Trindade”



Alexandre Compleite, nascido Alexandre Ribeiro, em Itaberaí/GO, no dia 7 de abril de 1971, é casado e tem 4 filhos. Trabalha como representante comercial lá se vão 22 anos e advogado. Foi vereador em Trindade, tentou tornar-se deputado estadual, nas eleições de 2014, mas não deu. Agora apresenta-se determinado a conquistar o mandato de prefeito da “Capital da Fé”, no pleito de 2 de outubro deste ano. A bordo de uma candidatura solitária pelo Democratas, sem coligação nem mesmo para a chapa de vereadores, Alexandre fala que está preparado para ser prefeito de Trindade e anuncia o seu compromisso de “ser um dos melhores gestores que a cidade já teve”. Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista exclusiva realizada na semana passada no escritório do candidato que estava às voltas com documentos e livros utilizados na preparação do plano de governo a ser apresentado em breve. Boa leitura a todos.

Blog - Por que o Sr. quer ser prefeito de Trindade?
Alexandre Compleite - Quero dar um pouco do que essa cidade já me deu de volta. Mudei para Trindade com 1 dia de nascido, me criei aqui, meus amigos estão aqui, meus filhos nasceram aqui. E meu sonho é ver essa Trindade virar uma cidade de primeiro mundo, uma cidade industrializada, uma cidade com potencial e deixar de ser o que ela é hoje, hoje ela está muito aquém do que poderia ser. E também não podemos ser hipócritas a ponto de dizer que quem está na política não quer evoluir. Eu comecei como vereador, fui a [candidato] deputado e o sonho do político, de todo político do município, é ser prefeito. É um sonho, é uma coisa que eu almejo, e eu quero uma chance de provar que eu posso fazer muito por Trindade.

Blog - O Sr. se considera preparado para administrar a Prefeitura de Trindade?
Alexandre Compleite - O que eu penso que é um bom administrador, é um cara que sabe gerir, que tem uma equipe boa, porque ninguém administra sozinho, eu vou ser o prefeito, mas eu vou ter uma equipe ao meu redor, lógico que eu não vou entendo todas as coisas, eu não entendo da área de finanças do município, mas eu sou advogado, eu vou estudar, vou aprender, além disso vou ter uma equipe preparada, uma equipe técnica para me ajudar, governar é isso aí, é em equipe. A preparação vai vir, lógico, eu estou acostumado com o Legislativo, mas lógico que o Executivo não me amedronta não, e eu estou preparado para enfrentar e vou fazer. Meu compromisso é ser um dos melhores gestores que a cidade já teve, isso eu te garanto.

Blog - O Sr. estava falando do seu histórico como vereador. Teve uma passagem meio tumultuada no seu relacionamento com o prefeito na época [Ricardo Fortunato], mudou de partido, teve problema, até perdeu o mandato por conta disso. O que podemos esperar da sua conduta política no exercício do mandato de prefeito?
Alexandre Compleite - O problema meu na Câmara foram divergências políticas eu fui escolhido pelo povo, eu entrei lá para fazer coisas em prol do povo, não em prol de políticos, eu acho que os acordos políticos têm que ser feitos em beneficio do povo, não dos políticos. Então, o quê que aconteceu? Quando eu entrei, era do PMDB, a primeira coisa que chegaram em mim foi me dando ordens. “Ah, que você tem que fazer isso”. Não, eu não recebo ordens, eu estava ali como funcionário do povo, não funcionário de ex-prefeito, de prefeito, ou vereador. Já começou aquela besteira de grupo, de gê não sei de quê. Isso para mim já é barganha, já é falcatrua, já era uma coisa que eu batia em cima, eram eleições de 6 meses para presidente de Câmara. Então, assim, fui perseguido, mas, esquece, isso aí ficou para trás. A questão de prefeito, é lógico que eu tenho a minha postura, o meu pulso, eu sou um cara assim com temperamento às vezes um pouco..., mas isso não me prejudica em nada na administração, acho que todo administrador tem que ter sim um pulso forte, e saber a hora de mandar e a hora de pedir. Vou fazer uma gestão séria, é a minha postura de homem sério, e vou fazer uma gestão séria. Só isso. Não sou um cara de ficar dando um tapinha nas costas de mentirinha. Eu gosto de gente que trabalha, gente que merece o salário. E é essa a gestão que eu vou fazer, valorizando quem trabalha e quem tem realmente interesse em ver Trindade crescer.

Blog - Por que o Sr. não quis compor com ninguém?
Alexandre Compleite - Na verdade, nesses dias aí que antecederam as convenções, eu tive várias reunião, que eu vi coisas que pensei que nunca pensei ver. Gente negociando a Prefeitura, gente fatiando a Prefeitura, com coisas como se a prefeitura era deles. Eu vejo a Prefeitura, a cidade é do povo. Então, gente que me pedia dinheiro para vir para o meu grupo. Eu não compro ninguém, eu não me vendo e não compro ninguém. Então, preferi optar por uma chapa pura, uma coisa, pessoas que estão comigo, estão por confiança, acreditam no meu potencial, acreditam na minha pessoa, eu não me vendi e nem comprei ninguém. Eu tenho aquela frase que eu sempre falo: “Eu prefiro perder por falta de dinheiro a ganhar por falta de vergonha”. Fiz chapa é pura sim, não me envergonho disso, minha vice também é uma pessoa nova que não tem rejeição, que não tem vícios, eu prefiro pessoas que não tenham vícios políticos perto de mim, do que pessoas aí que vêm por interesse. E a minha concepção de política é essa. Eu acredito que eu posso fazer muita coisa sendo independente, sem vínculos, sem ter que dar emprego para presidente de partido, sem ter que dar emprego para parentes de vereador. Eu vejo a política dessa forma, uma política séria, sem conchavos, sem barganhas, que atua em prol do povo, uma política enxuta. Eu quero manter a minha postura de um cara reto, limpo e qualificado.

Blog - Mas sem uma coligação, sem nenhum apoio, vínculos, porque na Câmara você precisará de apoio.
Alexandre Compleite – Lógico, a gente sabe que... Mas eu vou fazer uma gestão limpa, o prefeito quando está limpo ele não precisa ficar comprando vereador não, e a gente fez uma chapa completa com vereadores do DEM. Acho que a gente consegue fazer aí uns dois vereadores, talvez até mais, mas eu vou depois dialogar com todos, acredito que uma conversa séria, eu acredito que vai ter uma renovação também naquela Casa, vão entrar pessoas novas lá que têm um idealismo iguais ao meu. Pessoas que querem mudanças. Então assim, a gente não consegue trazer todos todo mundo. Acho que nenhum vai fazer a maioria, acho que tudo é conversa, e depois que acabar a eleição todos têm que unir em prol da cidade, não em prol de partidos. Tem que acabar com esse negócio de fazer as coisas pensando em reeleição ou em próximas eleições. Então, é fazer a coisa da maneira certa e chegar com ideias novas e ideias boas. Acho que todo mundo veste a camisa dessa forma. Não precisa de comprar ninguém nem me vender para isso.

Blog - O Sr. acredita mesmo na vitória?
Alexandre Compleite - Sim, lógico que sim. Eu vou trabalhar para isso, acho que para Deus nada é impossível. Eu vou trabalhar. Eu sei que é difícil, mas não tem nada nada fácil. Eu nunca vi uma eleição fácil, todas de que participei foram difíceis. Vou trabalhar para isso e se o povo resolver me dar a oportunidade eu acredito que sim. Por que não? Todo mundo que está participando da eleição tem uma chance de vencer a eleição. Eu entrei para ganhar e vou trabalhar para isso.

Blog - Pouco apoio político partidário, só o seu partido, e recurso para a campanha vai ser do mesmo jeito ou isso aí já é outra seara?
Alexandre Compleite - Minha campanha vai ser uma campanha independente, uma campanha limpa, com pouco dinheiro. Enquanto você não compra ninguém você não precisa de muito dinheiro. Eu não vou gastar aí milhões numa campanha para depois eu entrar lá dentro ter que tirar esse dinheiro de volta. Eu não quero isso. Eu vou gastar o que eu posso gastar, o que eu precisar gastar. A gente tem, sim, apoio do partido, de alguns amigos, a gente vai trabalhar honestamente. Eu vou ser o cara que não vai comprar nada, que não vai dar nada, a intenção é mudar essa concepção de toma lá, dá cá, que a política tem. Então, eu acho que é o seguinte, o cara que entra num eleição e gasta acima do que ele vai ganhar, ele está com más intenções, e minha intenção não é essa. Eu quero entrar limpo e quero sair limpo. Se eu tiver essa oportunidade bem, se não tiver, paciência. A gente vai cuidar da vida da gente. Eu costumo dizer que o político tem que ter profissão. Corram desses políticos aí que a profissão deles é político. A minha profissão não é político. Eu estou entrando na política, mas eu não sou político de profissão. Minha profissão é advogado, eu tenho empresa. Então assim, a minha segue da mesma forma se eu perder, mas eu vou trabalhar sim para ganhar e mesmo com pouco recurso, a gente sabe que não é impossível não. Não é não. Eu vou fazer uma campanha limpa e bonita e pedindo uma oportunidade e dizer que eu posso fazer mais. E eu posso.

Blog – O Sr. falou de novas ideias, caso vença as eleições qual seria seu principal projeto?
Alexandre Compleite - Primeira coisa que quero fazer é enxugar a máquina. Acho que quando se tem uma empresa que gasta mais do que ganha, qual é o futuro dessa empresa? Falir. Então, a ideia principal é enxugar a máquina. Da mesma forma o órgão público. Se está gastando mais do que ganha, o futuro desse órgão é falir. Então, o primeiro passo é enxugar a máquina. Eu quando fui vereador, no meu gabinete não entrava nada, eu não tinha mordomia, eu não aceitava mordomia. Eu acho que vereador tinha que lanchar na casa dele. Então, lá é salgadinho, refrigerante, suquinho. No meu gabinete não entrava isso. Eu vou acabar com as mordomias. Esse negócio de secretário andar em carro de Prefeitura, igual a gente vê secretário buscar até filho na escola. Isso vai acabar, vou enxugar a máquina, vou reduzir o número de secretarias, esse é um dos meus primeiros passos. Eu acho que pondo a casa em ordem aí eu vou conseguir respirar e ver o caminho que vou tomar. Eu acredito que a gente pode aí reduzir muita coisa e vai sobrar muito dinheiro para investir na cidade em obras públicas municipais. Hoje as obras que a gente tem na cidade a maioria são federais. Tem condições de fazer obra municipal sim, e o passo é esse aí, diminuir, enxugar a máquina e olhar para frente. E aí você tem espaço para respirar e trabalhar.

Blog - Na sua opinião qual é a maior carência da cidade de Trindade, dentro da zona de atuação da prefeitura?
Alexandre Compleite - Para falar a verdade, eu que Saúde deixa a desejar, a saúde nossa hoje ela está muito aquém do que poderia ser. Limpeza Pública, a cidade é uma cidade suja, feia, uma cidade encardida, uma cidade turística que não tem uma calçada padronizada. Não tem nada. Quais os pontos turísticos que nós temos em Trindade? Nenhum. Praticamente aquela Via Sacra e tem umas árvores que tamparam as imagens. Então assim... Emprego, o tão sonhado pólo industrial, cadê? Cadê o pólo industrial? O governador é da base do atual prefeito e, cadê o nosso pólo? Pega nossas áreas e dá para os empresários da cidade. Para quê? Para garantir voto. Tem que trazer gente de fora. Lógico que tem que valorizar o cara daqui, mas traz gente de fora. Nós vamos criar, nós vamos trazer, uma área... Aparecida de Goiânia agora está criando um outro pólo. Por quê lá evolui desse tanto e aqui está parado? Tirar essa fama propineira de Trindade, que o cara tem que vir para cá e tem que pagar para ter uma área, pagar para construir uma empresa dele. Em 12 anos veio uma grande industria para Trindade, que é a Fricó, que está aí funcionando por liminar, por incompetência de políticos, que deixaram fazer uma empresa numa área que era residencial. Então, quer dizer. E nossos filhos vão para onde, vão trabalhar onde daqui a uns dias? Cidade com 120 mil habitantes e não tem um pólo. Pega Goianira, a arrecadação de Goianira é maior do que a de Trindade. Então assim, Segurança, não é só PM [Polícia Militar] não. Segurança é cidade limpa, sem mato, iluminada. Você vê reclamações de moradores ai, tem um ano que estão pedindo uma lâmpada na rua deles. Isso é uma vergonha, rapaz. Limpa a cidade, coloca câmeras nos logradores públicos, ilumine a cidade. Diminui, no mínimo, 30% da criminalidade, principalmente os pequenos crimes. Então assim, são muitas carências. Educação, a gente evoluiu muito, acredito que sim. A secretária é uma pessoa muito super-competente, mas pode melhorar, a agente precisa de mais creches. Tem muita criança sem creche. Tem que trabalhar e para trabalhar precisa de dinheiro. Então, por isso é que eu falo que o primeiro passo é enxugar a máquina. Eu acredito que se enxugar a máquina hoje sobram 2 milhões a mais de reais por mês. E a gente consegue, com 2 milhões de reais, fazer muita coisa. Então assim, estou dando alguns exemplos, mas a gente quer atuar em todas as áreas. Lazer, qual o lazer que a gente em Trindade hoje? A gente não tem. A gente não tem calçada de passeio, muito poucas. A gente tem aí na região Leste que está abandonada, região sem área de lazer. Eu vou ser um prefeito que vai trabalhar os quatro anos. Não vou trabalhar só seis meses igual aos que passam aí não, isso eu garanto. Um cara que estará presente, que vai entrar e sair pela porta da frente da Prefeitura. Não vai sair pelos fundos para não falar com ninguém não. Isso eu garanto, a minha ideia principal é essa.

Blog - O que seria o grande obstáculo para o desenvolvimento de Trindade hoje, a falta de dinheiro, porque reclamam. Dizem que o pico de arrecadação de Trindade são 15 milhões de reais num mês, e geralmente ali próximo da Festa de Trindade, na Romaria no meio do ano, depois cai muito isso, mas o obstáculo seria esse dinheiro curto ou tem outra coisa?
Alexandre Compleite – Não, eu não acho que arrecadação da nossa cidade não é ruim não, ela está muito aquém do que poderia ser, lógico, mas aí que entra o negócio das indústrias, o incentivo, trazer empresas. Cidade nenhuma cresce sem emprego. Hoje nós temos, mais ou menos, aí na última pesquisa que eu vi, que em torno de 60% da população trabalha fora, que migra para outra cidade. Então assim trazer indústrias para a cidade, a cidade tem que crescer, arrecadar mais e para arrecadar precisa ter indústrias, tem que ter emprego. Porque quando tem emprego o supermercado vende mais, a padaria vende mais. Então assim, todo mundo ganha com isso. Tem que criar um método, um cronograma, tem que trazer. Gente, vai à Brasília, vai, vamos correr atrás, fazer projetos, tem que conseguir umaa área e fazer esse pólo empresarial. A gente tem aqui o pólo que está falando que vai ser um pólo privado, mas é privado. Nós precisamos de um pólo público. Nós temos que copiar o modelo de Aparecida de Goiânia. Tem aquela história, “nada se cria, tudo se copia”. Vai lá, senta lá, olha aquilo lá, estudar. Vamos trazer aquela ideia para Trindade. Hidrolândia levou lá, não sei, parece que a Hyundai, e está dando mais de um mil empregos. Hidrolândia está mais bem localizada do que Trindade? Eu acho que não. Nós perdemos a Matsuda para Goianira, que está lá hoje dando 700 empregos. Por quê, porque chegou aqui e quiseram extorquir o cara que foi para Goianira, ganhou uma área lá, o dobro daqui e está lá dando 700 empregos. Quer dizer, empregos que poderiam ser nossos, de nossa cidade. Então assim, o primeiro passo é este, tirar essa imagem ruim que Trindade tem de cidade propineira, uma cidade que tem que pagar para entrar nela com uma empresa. E o meu objetivo é esse, fazer ela crescer dessa forma: empresas, emprego. Emprego traz dignidade para a pessoa. O pai que não tem emprego, ele não vai, você sabe, que dignidade que o cara tem, um cara que não emprego. Chegar na casa dele e ver lá a energia cortada, a água. Meu sonho é passar naquela Rodoviária de madrugada, igual eu já passei muitas vezes transportando leite e vê-la vazia, sem ninguém para pegar ônibus para ir para Goiânia, para outra cidade para trabalhar. Esse é o meu sonho para Trindade.

Blog - Se o Sr. ganhar as eleições pretende formar sua equipe de governo somente com membros do seu partido, o Democratas, ou vai expandir isso para outras legendas até mesmo para ter apoio no Legislativo?
Alexandre Compleite - Não, eu vou forma o meu grupo com pessoas técnicas, não interessa partido. Eu sou partidarista? Sou. Eu visto a camisa do meu partido, que é o Democratas, mas eu quero pessoas técnicas, independentemente de que partidos sejam, vou colocar lá pessoas capazes de gerir e de administrar. Se não conseguirem, demito, isso você pode ter certeza. Pulso, é igual ao Ronaldo [Caiado, senador e presidente Regional do Democratas em Goiás] fala, “coragem não nos falta”. Então, pessoas técnicas, pessoas qualificadas. Quem quer trabalhar, no meu governo você não vai ver falar que neguinho está recebendo sem trabalhar não. Isso não vai existir não. Tem que trabalhar. Eu valorizo quem trabalha. Quem não trabalha, para mim, está fora.

Blog – No comando da Prefeitura de Trindade, o Alexandre Compleite, prefeito... O Sr. Se imagina com um estilo assim mais conciliador, contrariando o seu estilo, ou não, vamos sempre assim, faca no dente, sangue no olho, uma coisa parecida?
Alexandre Compleite – Não, eu acho que a gente pode conciliar as duas coisas. Você tem que saber a hora de empurrar e a hora de segurar. Então assim, eu vou fazer uma gestão... Lógico que eu não vou deixar ninguém dar tapa na minha cara, mas vou fazer uma gestão limpa, transparente, com certa rigidez, pois o administrador tem que ter uma postura, mas também não vou radicalizar e brigar com todo mundo, brigar com vereadores, não, a ideia não é essa, a ideia é trabalhar em prol de Trindade, não tenho essa ideia também de consolidar meu grupo não, acho assim que as pessoas que vêm para perto de você, tem que vir porque gostam de você, e porque confiam em você. Eu não tenho que ficar dando cargo para alguém para ganhar um voto na Câmara não. Tem que acabar com essa concepção de política. E a minha ideia é fazer uma gestão transparente, limpa, com cargos técnicos, pessoas capazes, qualificadas. E a gente tem muitas aqui, inclusive pessoas que estão aí nesse mandato. A gente, lógico que a gente vai aproveitar se tivemos a oportunidade de aproveitar e conversar, vamos aproveitar sim. Não estou aqui para desfazer de pessoas que trabalham não, pelo contrário, eu quero valorizar quem trabalha, minha ideia é essa, pessoas boas, íntegras, que trabalha, que merecem o salário que recebem. É isso, a ideia é essa.

Blog - Um núcleo de poder de Trindade, muito atuante, que é a igreja Católica, principalmente o pessoal ali ao redor do Padre Robson de Oliveira Pereira, o Provincial da Congregação Redentorista, tem uma força enorme junto ao prefeito e até ao governador do Estado. Qual é o seu relacionamento com esse pessoal?
Alexandre Compleite - Se eu te falar que tenho uma amizade definida com o Padre Robson, eu não tenho. Eu tenho uma admiração por ele. Acredito que grande parte da nossa evolugação aqui veio através dele, através da Igreja e temos que valorizar isso. E a gente vai valorizar isso. É lógico que a gente tem que ter essa união, porque a cidade é uma cidade turística. Você tem que ter uma amizade. Eu pretendo sim conciliar com a Igreja, conciliar não porque a gente não é brigado, a gente tem que ter essa união com a Igreja para a gente criar até projetos juntos, projetos turísticos, porque o pessoal que vem até a cidade, vem pela Igreja. O Padre Robson, ninguém pode negar que é um grande, além de um cara empreendedor, que fez a imagem da nossa Igreja aqui, é uma figura ilustre de nossa cidade e eu respeito e admiro isso e quero sim ser parceiro da Igreja. Não tem essa picuinha minha com a Igreja, nunca tive e não quero ter isso. Eu quero trabalhar junto sim. E vamos criar projetos bons para Trindade, juntos com a Igreja, com certeza.


Blog do Sérgio Vieira - Notícias e Opiniões de Trindade e Região